A atualidade da mensagem de Fátima III

Artigo: A Virgem de Fátima pediu inúmeras vezes aos três pastorzinhos que rezassem o terço todos os dias. O motivo desta insistência da Santíssima Virgem nesta oração indica e conduz para o núcleo central de sua mensagem em Fátima, recordado nas contas dos mistérios do rosário. Fátima nos faz relembrar o rostobíblico de um Deus rico em misericórdia (Jr 4,19) que sai em busca do ser humano, desejoso de recuperar sua dignidade e resgatá-lo para a alegria plena (Lc 15, 11-32). A oração do rosário tem o poder de nos centrar nessa esperança que a vinda e a vida de Cristo, celebrada em cada mistério do terço, veio inaugurar entre nós: o triunfo da misericórdia sobre o pecado, o mal e a morte.

O convite da Virgem, em todas as suas aparições, a rezar o terço, nos faz intuir que esta é, por excelência, a oração aprendida na escola de Maria, oração que nos ensina a humildade da fé e a generosa acolhida ao projeto de Deus. Recordar, celebrar e meditar os mistérios da vida de Jesus, ao jeito de Maria, é deixar-se tocar pela presença de Deus e, como ela, conservar no coração (Lc 2,19) cada gesto, cada ato, cada palavra de Jesus, deixando-se moldar e transformar por ele. A recitação do terço, portanto, nos convida a configurar-nos com Cristo através do ritmo da oração.

A repetição, característica própria da oração do terço, é um valioso meio de aprofundamento da amizade com Deus e encontro com Cristo. A cada Ave Maria meditada somos introduzidos, mais amplamente, no mistério infinito e inesgotável do amor do Pai. Este mistério não se exaure ou extingue a cada repetição, mas torna ainda mais eficaz, na vida daquele que reza, a ação poderosa e misericordiosa de Deus, tão presente e atuante na vida de Maria.

Nossa Senhora do Rosário de Fátima insiste, em cada uma das suas seis aparições, na necessidade e na urgência da oração do terço, pois a oração é o lugar de encontro em que se dá e se enraíza a intimidade com Deus. A transformação do mundo e a construção da paz dependem em muito dos joelhos que se dobram e das mãos que se unem em prece. Contudo, a Virgem indica a recitação do terço não somente como súplica, mas como caminho de conversão e construção da fraternidade, da justiça e da paz. Dispondo-se a meditar os mistérios de Cristo e acolher seu poder redentor, o orante enche de graças eu coração, por vezes aprisionado pelo egoísmo, pelo orgulho e pela violência, e só assim é capaz de promover a paz, a concórdia e a compaixão. É através da sua recitação e meditação que o rosário é capaz de humanizar e pacificar a história com a coragem, a ousadia e a prece dos humildes.

Pe. Douglas Carré

Pároco da Paróquia 

N. Sra. do Rosário de Fátima

Publicada em 12/07/2017 às 17:41:39

Mitra Diocesana - Rua Duque de Caxias, 729 - Cruz Alta RS, 98005-200 - (0xx)55 3322-6920