VOCACIONADOS PARA SERVIR

Artigo: O mês de agosto traz para nossa reflexão a beleza e a riqueza das vocações cristãs. Didaticamente a celebração de cada uma foi distribuída ao longo dos domingos do mês, para que cada uma seja devidamente valorizada. Mas o conjunto delas tem uma única fonte, o batismo, e uma correta compreensão das mesmas nos possibilita uma melhor compreensão da pessoa de Jesus Cristo e também de sua Igreja.

Jesus Cristo é o salvador do mundo. Ele é o enviado do Pai. Ele é a Palavra (promessa) de Deus que se fez carne. Porém, desde o início Jesus constitui uma pequena comunidade de vida formada por 12 apóstolos e outras pessoas próximas, homens e mulheres, que se diferenciam da multidão. Essa comunidade é instruída, de modo que o ensinamento de Jesus molde suas vidas dali por diante. Essa tarefa é lenta e difícil, com inúmeras inconsistências como podemos ler nos evangelhos. Mas é o caminho que os leva ao objetivo para o qual foram chamados: ser discípulos de Jesus. 

Após a ressurreição de Jesus, fica muito claro qual foi a intenção Dele ao chama-los e prepara-los. Jesus os reúne uma última vez na Galiléia, lugar onde ele iniciara a missão. Antes de subir aos céus diante dos discípulos, dá-lhes este mandato: “Ide, pois, fazer discípulos entre todas as nações, e batizai-os em nome do Pai, do Filho e do EspíritoSanto” (Mt 28,19), ou seja, a missão de Jesus cabe agora aos discípulos (Igreja) que devem anunciar o Evangelho, fazendo com que os evangelizados ingressem no caminho proposto por Jesus, não cegamente, mas tornando-se também testemunhas por palavras e pela própria vida. 

As vocações ou ministérios surgem no seio das comunidades originárias conforme as necessidades. Homens e mulheres assumem diferentes serviços. O aumento do número de cristãos muda a forma de uma comunidade se organizar. O Espírito Santo inspira e faz surgir a diversidade de ministérios. Ao longo dos séculos as transformações são diversas. Também hoje temos uma configuração própria. Temos as vocações leigas e as vocações sacerdotais e religiosas. De forma nenhuma devemos considerar uma superior a outra. São formas específicas de viver o seguimento de Jesus. No momento em que a Igreja se debruça sobre a Iniciação à Vida Cristã, realça-se a importância de despertar todos os batizados para um efetivo discipulado. Afinal, passou o tempo de ser cristão por tradição. Hoje, as novas gerações tornam-se cristãs por convicção, ou não serão cristãs, mesmo que eventualmente tenham recebido o batismo.

Evidentemente quando rezamos pelas vocações, não deixamos de pensar nas vocações sacerdotais e religiosas. Não por pensamento exclusivista e sim porque são mais raras. No entanto, na visita pastoral que está acontecendo nas paróquias, é sobretudo, muito enfatizada  a formação de lideranças, especialmente Ministros da Comunhão Eucarística e da Palavra. Lembremos que em agosto também refletimos e rezamos pelas famílias.

Que neste mês, confiemos a Deus em oração todas as comunidades e peçamos que Ele envie operários para a messe. De fato, os desafios são muitos e só poderão ser superados quando cada membro da comunidade, sentir-se chamado por Deus e assumir sua parte na caminhada. 


Pe. Gelson Paulo Bays

Pároco da Paróquia Sagrado Coração 

de Jesus - Vila Santana/Ijuí

e Coordenador do Serviço de Animação Vocacional - SAV



Publicada em 07/08/2017 às 08:31:34

Mitra Diocesana - Rua Duque de Caxias, 729 - Cruz Alta RS, 98005-200 - (0xx)55 3322-6920