A vida nos dias atuais

Vivemos a era da urgência, da rapidez, da impaciência e do consumismo desenfreado. Pode-se dizer que a sociedade está doente, são pessoas que se encontram estressadas, angustiadas e que vivem um dos males do século que é ansiedade, a perda de controle das emoções e pensamentos, gerando assim um  aceleramento e um sofrer precocemente a cada situação a ser enfrentada, e  não vivem o presente, o que mais importa é o que está por vir, mas nunca estão satisfeitas com nada. O Sistema Nervoso Central vive sobre uma excessiva carga, e com o passar do tempo desencadeia graves complicações em nossa vida.Será que fazemos parte dessa massa que sofre com esse problema? 

Hoje as pessoas se dedicam mais em suas atividades profissionais, deixando de lado a família e amigos, são raras pessoas que costumam contemplar as flores das praças, dos jardins, não se dá mais importância para as coisas mínimas que estão presentes ao redor delas, nem tiram um tempo para fazerem uma reflexão pessoal, são poucas as pessoas que conseguem fazer um auto diálogo.

Muitas pessoas são ótimas para resolver os problemas dos outros, mas os próprios não conseguem, tornando-se assim frustradas e mal sucedidas na vida. A perda do sentido de viver também se faz presente na vida de algumas pessoas, porque a falta de Deus torna a vida um fardo, algo penoso, mas se temos Deus presente será mais leve; “ Tomai sobre vós o meu jugo e sede meus discípulos, porque sou manso e humilde de coração, e encontrareis descanso para vós. Pois o eu meu jugo é suave e o meu fardo é leve”.(Mt 11,29-30) E Tendo assim presente a vida terá um grande sentido.

Todos os dias somos bombardeados com informações que chegam  até nós pelos meios midiáticos, cada minuto uma informação nova, isso vai nos gerando um acúmulo de dados, que precisamos fazer uma filtragem do que é realmente necessário e proveitoso para a vida de cada um.  

A competição desenfreada, o individualismo, a busca de poder colocam as pessoas a viverem atreladas num  sistema em  que o desejo de  ter sempre mais e mais é o que impera, não levando em conta quais serão as  consequências. 

Saibamos lidar com as nossas fraquezas, não deixando que nos  prejudiquem e nem as outras pessoas que fazem parte da do nosso cotidiano. Não só busquemos os bens terrenos, mas também busquemos os bens celestiais. 


Seminarista: Lucas Mendes de Aguiar

1º ano Filosofia

Publicada em 21/10/2014 às 05:40:54

Mitra Diocesana - Rua Duque de Caxias, 729 - Cruz Alta RS, 98005-200 - (0xx)55 3322-6920