Natal: O mistério do andar e do ver

          Todos os anos, no mês de dezembro celebramos o Natal, a festa das luzes. Mas de fato o que significa o Natal para mim? Para minha família? Para minha Comunidade?

          O Natal é apenas um momento onde a família se encontra, troca presentes, se reuni para beber e comer, ouuma oportunidade para viajar de férias? Porque há uma exacerbação nas luzes e enfeites?

          Talvez hoje mais do que nunca seria importante fazermos uma reflexão e nos perguntarmos qual é, de fato, o verdadeiro sentido do Natal. Que luz estamos seguindo? As artificiais ou a Verdadeira, a que é capaz de iluminar nossa caminhada humana e espiritual. 

“O povo que andava nas trevas viu uma grande luz” (Is 9, 1). A liturgia deste tempo natalino nos aponta para uma Luz inextinguível já indicada pelo profeta Isaías. Nós somos povo a caminho e buscamos essa luz. Mas, dentro de nós ainda permanecem as trevas...

No acontecimento do Natal de Jesus, mesmo que o espírito das trevas insista em envolver o mundo, renova-se o mistério que sempre nos maravilha e surpreende: a luz de Deus nos invade, nos renova, nos põe a caminho, nos faz andar e ver! «O povo que andava nas trevas viu uma grande luz» (Is 9, 1).

Na história da salvação muitos homens e mulheres pelo mandato do Senhor, acolheram o convite de porem-se a caminho. Assim aconteceu com Abraão, nosso pai na fé, que o Senhor chamou convidando-o a partir para a terra prometida. Desde então, a nossa identidade de pessoas de fé é a de peregrinos para a terra prometida. Nessa caminhada não estamos sozinhos! Nossa história é sempre acompanhada pelo Senhor! Ele é sempre fiel ao seu pacto e às suas promessas. «Deus é luz, e n'Ele não há nenhuma espécie de trevas» (1 Jo 1, 5). Amando a Deus e aos irmãos, andamos na luz; mas, se o nosso coração se fecha, se prevalece em nós o orgulho, a mentira, a busca do próprio interesse, então calam as trevas dentro de nós e ao nosso redor. 

O Evangelista João nos recorda: “Estava no mundo, e o mundo foi feito por ele, e o mundo não o conheceu” (Jo, 1,10). Na noite de Natal os pastores foram os primeiros a colocarem-se a caminho, a andarem em direção à luz e assim puderam ver Jesus. Foram os primeiros, porque estavam entre os últimos, os marginalizados; não haviam o coração fechado. E, foram os primeiros porque velavam durante a noite, guardando o seu rebanho. É essa atitude de quem quer “ver”, ou seja, fazer uma experiência de Deus: reconhecer-se pequeno, colocar-se a caminho, não ter medo de “andar” na direção da luz e manter o coração aberto e vigilante! Que Maria e José, que souberam ver a luz deDeus no rosto daquele Menino e não tiveram medo de andar no caminho de Jesus, nos inspirem a sermos pessoas caminheiras para assim reconhecermos as maravilhas de Deus em nós. 

Que Deus abençoe a todos! Um Feliz e Abençoado Natal.


Publicada em 16/12/2014 às 07:14:36

Mitra Diocesana - Rua Duque de Caxias, 729 - Cruz Alta RS, 98005-200 - (0xx)55 3322-6920