“Louvado sejas, meu Senhor”

Laudato si`, “louvado sejas,meu Senhor”. Citando a primeira frase do Cântico das Criaturas, de SãoFrancisco de Assis, o Papa Francisco inicia sua Carta Encílica“sobre o cuidadoda casa comum”, lançada no último dia 18 de junho. O Cântico das Criaturasrecorda que a terra, a nossa casa comum,“se pode comparar ora a uma irmã, comquem partilhamos a existência, ora a uma boa mãe, que nos acolhe nos seusbraços” (n.1). Nós mesmos “somos terra (cf. Gn 2,7). O nosso corpo é constituídopelos elementos do planeta; o seu ar permite-nos respirar e a sua água nosvivifica e restaura” (n.2). A pergunta central que perpassa toda a Carta éesta: “Que tipo de mundo queremos deixar a quem vai suceder-nos, às criançasque estão crescendo?” (n.160). Esta pergunta leva a nos interrogarmos sobre osentido da existência e qual o nosso lugar nesta terra: “Para que viemos a estavida? Para que trabalhamos e lutamos? Que necessidade tem de nós esta terra?”

                A terra, nossa casa comum, está ferida pela açãohumana: “Esta irmã clama contra o mal que lhe provocamos por causa do usoirresponsável e do abuso dos bens que Deus nela colocou. Crescemos pensando queéramos seus proprietários e dominadores, autorizados a saqueá-la. A violência,que está no coração humano ferido pelo pecado, vislumbra-se nos sintomas dedoença que notamos no solo, na água, no ar e nos seres vivos. Por isso, entreos pobres mais abandonados e maltratados, conta-se a nossa terra oprimida edevastada, que  geme e sofre as dores doparto (Rm 8, 22).” (n.2). Duas causas são apresentadas para esta criseecológica: a lógica do domínio tecnocrático, que leva a destruir a natureza eexplorar as pessoas, e o antropocentrismo, que criou um desequilíbrio nasrelações do ser humano com Deus, consigo mesmo e com a natureza. (cf. n.66).

                Diante desta realidade, o Papa chama ao compromissopara o “cuidado da casa comum”: “os cristãos, em particular, advertem que a suatarefa no seio da criação e os seus deveres em relação à natureza e ao Criadorfazem parte da sua fé.” (n.64).Ao ser humano cabe a responsabilidade de“cultivar e guardar” o jardim do mundo (cf.Gn 2,15)” (n.67).A fé cristã mostra que fomos“criados pelo mesmo Pai,estamos unidos por laços invisíveis e formamos uma espécie de família universal,[…] que nos impele a um respeito sagrado, amoroso e humilde.” (n.89). Propõeuma “ecologia integral”: “que integre o lugar específico que o ser humano ocupaneste mundo e as suas relações com a realidade que o circunda” (n.15). Asquestões ambientais estão ligadas com as questões sociais e humanas. Aocompromisso, alia-se um olhar positivo, de esperança: “A humanidade possuiainda a capacidade de colaborar na construção da nossa casa comum.” (n.13).

                O itinerário da Encíclica é traçado no n.15  e  sedesenvolve em seis capítulos. Passa-se de uma análise da situação a partir dasaquisições científicas hoje disponíveis (cap. 1), ao confronto com a Bíblia e atradição judaico-cristã (cap. 2), identificando a raiz dos problemas (cap. 3)na tecnocracia e num excessivo fechamento autorreferencial do ser humano. Aproposta da Encíclica (cap. 4) é a de uma “ecologia integral, que inclua  claramente as dimensões humanas e sociais” (n.137). O Papa Francisco propõe (cap.5) empreender em todos os níveis da vida social, econômica e política umdiálogo honesto e recorda (cap. 6) que nenhum projeto pode ser eficaz se nãofor animado por uma consciência formada e responsável, sugerindo ideias paracrescer nesta direção em nível educativo, espiritual, eclesial, político eteológico. O texto se conclui com duas orações, uma com todos os que acreditamnum “Deus Criador e Pai” (n. 246), e outra aos que professam a fé em JesusCristo, ritmada pelo refrão “Laudato si'”, com o qual a Encíclica se abre e seconclui. 

                Enfim, o Papa nos presenteia com uma Encíclica quemerece ser acolhida, estudada e reforce nosso compromisso do cuidado com nossacasa comum, o planeta terra.

 

Dom Adelar Baruffi

Bispo Diocesano de Cruz Alta

Publicada em 26/06/2015 às 13:44:20

Mitra Diocesana - Rua Duque de Caxias, 729 - Cruz Alta RS, 98005-200 - (0xx)55 3322-6920