“São Paulo, Apóstolo das Gentes”

São Paulo, antes Saulo, jovem inteligente nascido no seio de uma família judaica. Apegado às tradições, zeloso cumpridor da Lei até em suas mínimas prescrições. O ambiente de sua cidade natal marcou profundamente a personalidade do jovem fariseu. Tarso, metrópole grega, um dos centros de comércio mais importantes daquele tempo. Por se tratar de uma cidade comercial o jovem teve o contato com diversas línguas o que facilitou mais tarde a sua missão. 

Saulo, assíduo estudioso das escrituras, a qual serviu-lhe mais tarde para abrir seus horizontes a respeito da realidade messiânica de Jesus Cristo. Ele foi vencido pela luz. A partir dai Paulo se torna discípulo do Mestre Jesus e incansável missionário, anunciador de sua Palavra. Não consegue resistir a luz e declara-se vencido por Cristo. De perseguidor, passa a ser o servo fiel, pronto para obedecer a Deus. “Porém, o que para mim era ganho, por causa de Cristo considerei perda. Mais ainda: considero tudo perda em comparação com o superior conhecimento de Cristo Jesus, meu Senhor.” (Fl 3,7-8)

Com a sua conversão Paulo abraça a Igreja de Cristo. A partir desse momento, convertido, se move por um único ideal o qual dava verdadeiro sentido a sua existência. “Quanto a mim, não pretendo, jamais, gloriar-me, a não ser no Nosso Senhor Jesus Cristo, pela qual o mundo está crucificado para mim, e eu para o mundo” (Gl 6,4). Esta disposto a enfrentar todas as tribulações pelo amor a Cruz. “Cada dia ele subia mais alto e se tornava mais ardente, cada dia lutava com energia sempre nova contra os perigos que a ameaçavam” (São João Crisóstomo). 

Aos poucos Paulo por meio de suas viagens e através de suas cartas sustentava a sua fé. Ele constantemente era alvo de desprezo e vergonha para os convertidos, mas isso pouco lhe importava. O que neste momento mais valia era anunciar e testemunhar o Ressuscitado. 

Paulo depois de passar por Jerusalém, ser preso por causa de sua fidelidade a Cristo, recebe uma revelação. “Coragem, assim como você deu testemunho de mim em Jerusalém, assim importa também que o dês em Roma” (At 23,11). Durante sua vida, Paulo realizou quatro grandes viagens missionárias, funda comunidades, anima os cristãos, enfrenta muitas dificuldades (cf. 2 Cor 11, 23-28), escreve animando e orienta as comunidades.

A missão de Paulo, recebida de Cristo, esteve sempre em seu coração de tal modo que nem a prisão, nem as torturas, nem as adversidades de toda ordem puderam sufocar o ímpeto para estar pronto a anunciar o Cristo Jesus morto e ressuscitado. 

O que mais caracteriza a vida e a missão de Paulo é a mobilidade, a itinerância. Ele não se instala, não se acomoda, não se fixa por muito tempo num só lugar. Está sempre a caminho. Anuncia o evangelho, cria uma comunidade eclesial, parte sem jamais a esquecer. Parte de novo, vai além, é inquieto, vai para frente, avança, como que “esquecendo-me do que fica para trás e avançando para o que está adiante, prossigo para o alvo” (Filipenses 3,13-14).

A missão brota do coração do Senhor, crucificado e ressuscitado. Não é tanto o que nós fazemos o mais importante, mas o Amor divino pelo qual nós o fazemos. Porque é o Amor divino que faz nascer a vida, mesmo lá onde toda a vida parece impossível. 

Despertando para a missão e depois de realizada podemos dizer como Paulo: “Combati o bom combate, terminei minha carreira, conservei a fé.” (2Tm 4,7).


Publicada em 06/07/2015 às 06:57:52

Mitra Diocesana - Rua Duque de Caxias, 729 - Cruz Alta RS, 98005-200 - (0xx)55 3322-6920