Proatividade

Na Assembleia do Regional Sul 3 em 2014, quando o assessor, hoje bispo Dom Leomar Brustolin, trabalhava sobre o Documento 100 da CNBB Comunidade de Comunidades, frisou que as lideranças da Igreja devem ter uma linguagem e postura proativa, ou seja,alguém que age antecipadamente, evitando ou resolvendo situações e problemas futuros, mais otimistas.Porém, alguns ainda insistem em manter uma atitude reativa.

Proatividade! Esta palavra está na moda! As empresas hoje buscam pessoas com essa qualidade, para o preenchimento de cargos. A maioria dos anúncios de vagas de emprego exigem que os candidatos sejam proativos! E os candidatos, percebendo isto, já passaram a incluir esta informação no currículo. O mercado de trabalho só emprega hoje pessoas proativas. Mas,na Igreja, na pastoral, será que temos católicos proativos, o que fazer para transformar católicos reativos em proativos? Quem escolhe os trabalhadores é Deus, já a gestão é do pastor, que conhece, qualifica e faz a distribuição dos trabalhos. 

A palavra proatividade implica muito mais do que tomar a iniciativa. Implica que nós, como seres humanos, somos responsáveis por nossas próprias vidas. Nosso comportamento resulta de decisões tomadas, e não das condições externas. Temos a capacidade de subordinar os sentimentos aos valores. Possuímos iniciativa e responsabilidade suficiente para fazer com que as coisas aconteçam.

As pessoas reativas são afetadas somente pelo ambiente físico. Se o tempo está bom, elas se sentem bem. Caso contrário, mudam a atitude e a performance. As pessoas proativas carregam o tempo dentro de si. Faça chuva ou faça sol, não interessa, elas avançam graças a seus valores. E, se um de seus valores é realizar um trabalho de qualidade, ela não depende do tempo estar assim ou assado.

A pessoa reativa faz críticas, mas não aponta a solução ou alternativa; se queixa, mas não faz nada para melhorar a situação, julga e fala mal dos demais, inclusive às suas costas. Atrás de tudo isto, tem uma pessoa que se desculpa e se justifica todo o tempo sem assumir responsabilidade alguma. Sente-se vítima dos demais, das circunstâncias ou da vida, se auto compadece e agride a si mesmo e aos demais. Enfim, é mesquinha, um pé no freio da criatividade, não é confiável. Vamos ver algumas frases e em que linguagem se enquadram:

LinguagemReativa                           LinguagemProativa

Não há nada que eu possa fazer.       Vamos procurar alternativas.

Sou assim e pronto.                            Possotomar outra atitude.

Eles nunca vão aceitar isso.               Vou buscar uma apresentação eficaz.

Tenho de fazer isso.                           Preciso achar a resposta apropriada.

Não posso.                                         Euescolho.

Eu preciso.                                         Euprefiro.

Ah, se eu pudesse…                           Euvou fazer.

Nãovai dar certo.                              Vaidar certo!

A pessoa proativa apresenta uma característica essencial: preocupa-se em contribuir com seu esforço, com seu trabalho, com suas atitudes, com sua escala de valores, com seu exemplo, para que os resultados sejam cada vez melhores, não só em uma das áreas de sua vida, mas em todas. A pessoa proativa busca contribuir não apenas em situações especiais, mas em todo momento, em qualquer circunstância e com todas as pessoas.O tempo que vivemos agora é da igreja proativa, que sai a frente, chamando atenção para corrigir as coisas, pautar a sociedade. São muitos os desafios, mas acreditamos num mundo melhor! Que sejamos cristãos católicos proativos.


Pe Magnus Camargo




Publicada em 06/07/2015 às 07:03:11

Mitra Diocesana - Rua Duque de Caxias, 729 - Cruz Alta RS, 98005-200 - (0xx)55 3322-6920