Gratidão e esperança


Dom Adelar Baruffi

Bispo de Cruz Alta


Nos últimos dias do ano, envoltos pela alegria da celebração do nascimento do nosso Salvador, nos preparamos para o canto de louvor e gratidão a Deus pelo caminho vivido e renovamos nossos projetos e esperançaspara o próximo ano. A memória agradecida serve de alicerce para continuar a sonhar e “avançar para águas mais profundas” (Lc 5,4).


Gratidão

A memória agradecida pelo caminho percorrido faz olhar para traz e dizer: Valeu a pena! O ano vivido não foi apenas uma sucessão de dias e fatos. Quando tomamos distância para contemplar o caminho podemos ver alguns fios condutores. O que aconteceu de mais importante foram as pessoas com as quais vivemos. Quantas pessoas caminharam conosco! Muitas já são parte de nós, de modo especial os familiares e amigos. Aprendemos com as pessoas. Aprendemos a acolher, escutar, perdoar, compartilhar alegrias, planejar e trabalhar juntos. Uma grande sabedoria é guardar tudo e somente o que foi bom. Não guardar lixo para o ano novo. Nosso caminho também foi repleto de fatos pessoais, comunitários e sociais. Alguns nos trouxeram muitas alegrias. Nunca poderei esquecer este ano no qual fui ordenado como bispo de Cruz Alta e a acolhida que aqui tive. Por outro lado, sofremos todos juntos com as crises presentes em nosso amado país: crise de valores, corrupção, desemprego, violência crescente, agressão à natureza. O que aprendemos com tudo isso?


Olhar a partir de Cristo

Com os olhos da fé, conseguirmos ver a presença constante de Deus, que com sua graça, acompanhou nossos passos. Às vezes nem entendemos como, mas temos esta certeza, “pois junto a mim estás” (Sl 23), diz o salmista. Por isso, cantamos: “Obrigado, Senhor. Por tudo, obrigado Senhor!” Quem crê no amor providente de Deus lê a vida e os fatos em torno de um centro vital e significativo, no qual se podem encontrar a própria identidade e verdade, e a possibilidade de dar sentido e realização a todo o fragmento da própria história e da história da sociedade, tanto para o bem como para o mal, para o passado e para o presente. Tal centro, para o crente, é o mistério pascal, a cruz do Filho, que, elevado da terra atrai a si todas as coisas (cf. Jo 12,32) e Ressuscitado é o “alfa e o ômega, o princípio e o fim” (Ap 22,13). O ser humano precisa de uma referência última, um centro unificador. Em Cristo, tudo tem um significado, uma razão de ser.


Esperança

Manter viva a esperança. Creio que este deveria ser um propósito irrenunciável. Não nos cansamos de lutar e crer que nós podemos crescer, que nossa família pode ser mais unida, que nossa comunidade pode ser mais fervorosa e caritativa, que nosso Brasil poderá dar passos significativos nos setores essenciais para os cidadãos, que o mundo encontrará caminhos de convivência harmoniosa com o meio ambiente e na construção da tão sonhada paz. Cristo Ressuscitado é fonte de nossa esperança e sua ressurreição “contém uma força de vida que penetrou o mundo.” (Francisco, EG 276).

Gratidão pelo caminho vivido em 2015. Esperança renovada para todos em 2016!


Publicada em 04/01/2016 às 09:45:45

Mitra Diocesana - Rua Duque de Caxias, 729 - Cruz Alta RS, 98005-200 - (0xx)55 3322-6920