O retorno ao lar

O quarto domingo da Quaresma deste ano nos apresenta uma das mais belas e significativas parábolas de Jesus: o Pai misericordioso e seus dois filhos perdidos (Lc 15, 11-32).O primeiro movimento que vemos na parábola é a insatisfação, a saída e o afastamento do filho mais novo. Deixar o lar paterno é mais do que ir para outro lugar. O lar é o centro do meu ser, onde tenho uma história, onde tenho um nome, estabeleço relações e guio-me por valores. Espiritualmente é onde posso ouvir a voz daquele que me amou antes mesmo de existir e diz, como disse a Jesus: “Tu és o meu filho amado” (Mc 1,11). Esta certeza me dá segurança e fortaleza: sei que estou em casa com Deus e não preciso ter medo de nada. Abandonar este lugar desestabiliza toda a vida, pois perdem-se os referenciais. E quantos são forçados a deixar seu lar, sua terra, sua pátria. Vemos uma multidão de migrantes forçados de nosso tempo. Ou, então, todos os que partiram em busca de melhores condições de vida nas grandes cidades de nosso Brasil. Ou, ainda, tantos jovens e adultos que consideram dispensável a rica herança espiritual recebida e preferem construir uma vida sem Deus. Em qualquer caso, a saída do lar é sempre dolorida. 

Quanto mais se afasta do lar, menos é capaz de ouvir a voz que chama “meu filho amado” e, assim, perde-se nas armadilhas do mundo. Um dos motivos do abandono do lar espiritual, segundo o Documento de Aparecida, é viver a vida cristã de maneira medíocre, reduzida algumas normas e proibições, a adesões seletivas e parciais às verdades da fé, a uma participação ocasional nos sacramentos. (cf. DAp 12). Assim, a “fé vai se desgastando e degenerando em mesquinhez”. (DAp 12). Nossa casa, nosso lar, nossas comunidades conseguem testemunhar a alegria de conhecer JesusCristo e transmitir esta fé como um tesouro às novas gerações, para que encontrem nela o sentido do viver?

“Vou me levantar, e vou encontrar meu pai” (Lc 15,18). O caminho do regresso do filho ao lar parte de uma tomada de consciência de sua indignidade e, talvez de maneira interesseira, pela fome que passava. De qualquer maneira, a nostalgia do Pai, do lar, permanece sempre no coração humano. O Papa Francisco recordava aos bispos a necessidade de acompanhar este caminho. “Alguns afastaram-se porque decepcionados em relação às promessas da fé, ou porque o caminho para as alcançar é demasiado exigente. Não poucos saíram batendo a porta, censurando as nossas debilidades e procurando — contudo sem conseguir completamente — convencer-se de que se tinham deixado enganar por expectativas em última análise desmentidas.” (Mensagem aos bispos novos, 10/09/2015). Ainda recordava o Papa: “Não vos escandalizeis com as suas dores ou desilusões. Iluminai-os com a chama humilde, conservada com tremor, mas sempre capaz de iluminar quantos são alcançados pela sua limpidez que, no entanto, nunca é ofuscante.” (Idem).

A Igreja, nossas comunidades, é chamada a ser a casa da misericórdia. O lar sempre é acolhedor. A porta deve estar aberta para acolher e também para sair ao encontro dos que estão à procura dele. O que, na verdade, todos procuram é o abraço do Pai! É o abraço da reconciliação, da alegria de viver. Espera-se que este abraço acolhedor do Pai, devolvendo-lhe a dignidade e a alegria, seja modelo da ação da Igreja, especialmente no caminho de iniciação cristã. Comunidades acolhedoras, um lar com portas abertas, que manifesta a alegria de ser cristão e sem discriminações. Assim acompanhamos o caminho daqueles que estão em busca do lar. 

Dom Adelar Baruffi

Bispo de Cruz Alta


Publicada em 04/03/2016 às 13:57:45

Mitra Diocesana - Rua Duque de Caxias, 729 - Cruz Alta RS, 98005-200 - (0xx)55 3322-6920