DICA DE LITURGIA: Ministérios dos animadores do canto e dos instrumentistas


“Quem canta reza duas vezes”, já dizia Santo Agostinho. Com certeza esta frase diz muito de nossas celebrações litúrgicas. Um canto belo, bem entoado e executado, eleva toda a assembleia reunida num espírito orante.

Neste sentido, a Instrução Geral ao Missal Romano (IGMR), nº 104, diz: “Convém que haja um cantor ou regente de coro para dirigir e sustentar o canto do povo. Mesmo não havendo grupo de cantores, compete ao cantor dirigir os diversos cantos, com a devida participação do povo”. Trata-se de um ministro a serviçoda unidade da assembleia, que assegure a participação ativa e frutuosa da mesma, e que contribui para mergulhar no Mistério Pascal celebrado. 

Tanto os cantores quanto os instrumentos devem ter uma afinação harmoniosa, que contribua para o diálogo de Deus com seu povo, e do povo reunido com Deus. A equipe deve estar voltada para o altar, para que não chame atenção para si, e não dê ar de apresentação ou “show”.


Características para os animadores do canto e instrumentistas

Ser engajado na vida comunitária , desempenhando o serviço como resposta ao chamado de Deus, e nunca como satisfação ou promoção pessoal;


Cultivar a sensibilidade litúrgica e o gosto pela liturgia;


Ter uma caminhada de formação litúrgica, para compreender os ritos e ritmos próprios da celebração;


Conhecer a função do canto e da música, sabendo distinguir as partes que são próprias da assembleia das partes do solista ou grupo;


Ter alguma formação técnica para garantir boa qualidade na execução das músicas;


Colaborar e se fazer parte integrante da equipe de liturgia, ajudando a definir o repertório a ser cantado;


Promover ensaios com a assembleia, no tempo e momentos próprios para isso.


Os instrumentos e instrumentistas

Os instrumentos musicais são o prolongamento da voz humana na sua função litúrgica. Por isso devem estar a serviço da voz, do texto, da palavra, dando-lhe suporte, e não ABAFANDO-A. É a voz que canta, suplica, chora, louva e se alegra, por isso amúsica vocal é mais importante na liturgia que a instrumental.

Um bom instrumentista é aquele eu possui conhecimento técnico, mas sobretudo conhecimento teológico-litúrgico, e por seu ministério, se coloca a serviço, ajudando a sustentar o canto, criar clima de oração e meditação, acompanhando o canto, sem se sobrepor à voz.

Todos os instrumentos são bem-vindos à liturgia. Não se pode considera-los sacros ou profanos. Apenas eles devem cumprir sua função litúrgica, acompanhando osritmos da celebração. Devem também acompanhar a cultura de cada comunidade. O que se deve observar na escolha dos instrumentos, é que eles sejam discretos, e apropriados pelo seu ritmo, aos ritos e tempos litúrgicos.


Algumas dicas para instrumentistas

•Chegar com antecedência, e com discrição, se necessário, fazer a afinação do instrumento;

•Regular o som, e ter sempre o cuidado com o volume dos instrumentos, para que não se torne ruído celebrativo;

•Ter cuidado com os microfones, quanto ao seu volume e intensidade.


Publicada em 09/06/2016 às 08:23:57

Mitra Diocesana - Rua Duque de Caxias, 729 - Cruz Alta RS, 98005-200 - (0xx)55 3322-6920