Identidade Cristã: reconhecidos como outros cristos

Artigo: “...foram, pela primeira vez, chamados cristãos.” At 11:26

Neste mês de agosto cultivamos, em nossas comunidades, a oração voltada a um profundo apelo ao bondoso Deus para que suscite santas e frutuosas vocações à serviço da Santa Igreja. As vocações  significam o chamado que Deus faz a cada um de nós, a todos, observando os dons e as características específicas de cada pessoa.
Sabemos que cada pessoa possui dons especiais, suas particularidades, sua identidade. Porém, ao respondermos o chamado de Deus, comungamos de uma mesma identidade: a identidade Cristã. Tal identidade coloca-nos como comunidade de fé, formando o corpo místico de Cristo: “Ora, assim como o corpo é uma unidade, embora tenha muitos membros, e todos os membros, mesmo sendo muitos, formam um só corpo, (...). Pois em um só corpo todos nós fomos batizados em um único Espírito(...). O corpo não é composto de um só membro, mas de muitos.”(1 Cor 12:12-14).  Assim, ao assumirmos o batismo, ao qual somos todos chamados, acabamos por fazer parte desta mesma identidade do corpo de Cristo.
Podemos nos perguntar: mas o que é identidade? Identidade é aquilo que caracteriza determinada coisa, pessoa, e a faz semelhante e/ou diferente a outra, conforme a sua natureza. Podemos dizer também que identidade é a consciência que a pessoa tem de si mesma. Sendo assim, a identidade cristã se revela a nós como a própria natureza de Cristo. Ser cristão é ser como Cristo. Um outro Cristo. Desta forma a consciência de nós mesmos, leva-nos a necessidade de voltarmos sempre mais a ser como Cristo. E, neste processo, nos reconhecermos como outros cristos.
Reconhecemos nossa identidade cristã assumindo o batismo, como fonte de misericórdia reparadora do Pai. Desta forma, nos despimos do homem velho, das coisas passadas que nos impulsionam ao pecado (II Cor 5, 17), e nos revestimos do homem novo(Rm 6, 6).
A prática da identidade cristã impulsiona a nossa vida a ser como a de Cristo: “Tomem sobre vocês o meu jugo e aprendam de mim, pois sou manso e humilde de coração, e vocês encontrarão descanso para as suas almas.” (Mt 11:29).
Porém, notemos que, particularmente, nossa identidade está sempre em processo de formação. É um constante fazer-se e refazer-se cristão! Dotados de uma natureza que está ferida pelo pecado, e tende a voltar ao pecado, nossa capacidade de auto consciência deve ser capaz de refazer a cada dia nossa identidade cristã. E esta se revela pelas ações que nos inclinam a ser como Cristo: “manso e humilde de coração”!
Que neste mês, além de rezarmos por mais operários à messe de Deus, peçamos a identidade de seu Filho Unigênito. Senhor, dai-me a graça de ser como vosso próprio Filho! Sabes das minhas angústias e sofrimentos! Conheces as feridas do meu coração! Curai-as para que, com a vossa luz, eu possa realizar a minha vocação e firmar minha identidade em sua própria identidade! Que eu possa ser como Teu Filho, nos lugares onde precisem de Vós! Que o meu querer seja o Teu querer, como quereis, onde quereis, o que quereis e quando quereis. Quero te seguir e dedicar a minha vida a Ti! Tudo por Tua glória e louvor!  Amém!


Por: Seminarista Jean Rodrigo Pinheiro, 4º ano de filosofia

Publicada em 08/08/2016 às 14:20:31

Mitra Diocesana - Rua Duque de Caxias, 729 - Cruz Alta RS, 98005-200 - (0xx)55 3322-6920