DO SIMPLES AO COMPLEXO


“Seria muito melhor se as coisas fossem mais simples!”. É uma expressão que já falamos ou já ouvimos. Outra expressão comum é: “a vida é simples, as pessoas é que complicam”. Afinal, a vida é ou não é simples?
Nós gostaríamos que a vida fosse mais simples. Os cientistas gostariam que a natureza e as leis do universo fossem mais simples.
O mundo antigo compreendia o universo como umcosmos. A palavra cosmos é de origem grega (kosmos)e significa ordem, harmonia e beleza. É nesse sentido que surge a palavra cosmético, ou seja, que está a serviço da beleza. Para o mundo antigo, havia uma ordem em tudo. Tudo o que acontecia estava dentro da ‘harmonia do universo’. Não havia liberdade. O que acontecia estava destinado a acontecer. O que as pessoas deveriam fazer é tentar descobriro que estava escrito no livro do seu destino.Mais tarde, a palavra destino vai ser usado, na linguagem da ciência, como ‘lei da natureza’, e essa leiseria possível de ser descoberta e traduzida em linguagem matemática.
No início da modernidade, o processo que levou às descobertas científicas formulou que, para conhecer algo,é necessário, em primeiro lugar, separar o problema a ser investigado em suas partes menores. Investigando cada parte, isoladamente, o problema ficaria mais simples de ser solucionado. O que era complexo passava a ser desmembrado em partes simples. Após a investigação da partes, se acreditava que era possível conhecer o todo.
Levando em conta esse princípio de simplificação, a ciência da física desenvolve um enorme números de leis, as chamadas ‘leis da física’. Essas leis, traduzidas em fórmulas matemáticas, eram capazes de explicar e prever os fenômenos naturais do universo.
O mundo passou a ser considerado uma máquina perfeita composta de inúmeras partes simples que podem ser conhecidas independente umas das outras. O próprio ser humano foi considerado uma máquina. As ciência humanas tentaram seguir a abordagem da física e começaram a investigar o ser humano como uma sucessão previsível de causa-efeito, estímulo-resposta. Não é por acaso que a disciplina de sociologia foi apresentada, inicialmente, como física social. Nesta abordagem do ser humano, estava fora o inconsciente, os instintos, as contradições internas do querer e da mente humana.
As descobertas científicas do início do século XX vão complementando as leis da física e, algumas vezes, contrariando princípios básicos desta como: diferença entre matéria e energia, tempo e espaço, causa e efeito, observador e objeto observado. As teorias de Einstein e a física quântica colocaram a ciência no campo da relatividade, do indeterminismo e da probabilidade.
Na biologia, as pesquisas em ecologia fazem com que a ciência da vida leve em conta não somente um elemento separado, mas todos os elementos, pois estuda as relações dos seres vivos entre si e com o seu ambiente. É dentro da biologia que surge a teoria dos sistemas. O sistema é entendido como um conjunto de partes que trabalham com dependência uma da outra (interdependência), formando um todo capaz de atingir um objetivo comum. A teoria dos sistemas, saindo da biologia, avançou para outras áreas como a administração, engenharia, informática, inteligência artificial, psicoterapia familiar, redes neurais entre outras.
O que era simples ficou mais complicado de ser entendido apenas olhando para as suas partes. É necessário compreender o todo e a interpelação de suas partes. Com isso, chegamos à conclusão de que um problema complexo não pode ser resolvido de uma forma simples, agindo em apenas um dos seus elementos, mas levando em consideração a cadeia de eventos esperados e inesperados que podem gerar a partir uma ação.
Diante dessa passagem de um compreensão de que o mundo era simples e fácil de ser entendido para a realidade de um mundo complexo, interligado, em que não se pode entender as partes sem levar em conta o todo, podemos compreender que algumas situações não se resolvem de uma forma simples, mesmo que seja esse o nosso desejo.

Pe. Eliseu Lucas de Oliveira
Pároco da Paróquia São Pedro Apóstolo
de Ajuricaba

Publicada em 17/10/2016 às 10:30:53

Mitra Diocesana - Rua Duque de Caxias, 729 - Cruz Alta RS, 98005-200 - (0xx)55 3322-6920