A Cruz de São Damião

Hoje acontece, nas paróquias da Diocese de Cruz Alta a abertura do Tempo da Quaresma, com a celebração da Quarta-feira de Cinzas. Neste ano, foi preparado pela CNBB Sul 3 um kit bem sugestivo para a preparação e reflexão da Páscoa 2017. Trata-se de um kit produzido com o objetivo de, ao longo da Quaresma, auxiliar os fiéis e as comunidades a se prepararem para a festa da Páscoa. Esse kit contém o livro com o roteiro dos encontros, além de uma Cruz de São Damião para ser afixada na porta das casas onde as pessoas participam dos encontros. No verso da cruz, vem impressa uma benção para ser rezada pelos moradores. Com o kit vem ainda um pequeno poço, feito em cartolina, que recorda a cena evangélica na qual é descrito o encontro de Jesus com a samaritana.

As pessoas que ainda não adquiriram o seu material podem procurar nas paróquias nesta semana. No domingo, dia 05/03, será dada a bênção destas cruzes que depois poderão ser afixadas nas portas das casas. A cruz poderá ser levada para a missa ou celebração da Palavra na sua comunidade para ser abençoada. 


Descrição da Cruz de São Damião

No alto da cruz pode-se ler: IHS NAZARE REX JUDEORUM. Traduzindo: Jesus Nazareno, o rei dos judeus. Sabemos que Pilatos mandou colocar um letreiro no alto da cruz de Jesus com essa frase. Trata-se da causa pela qual ele foi condenado.


A cabeça de Jesus não está coroada de espinhos. Mas está rodeada com uma auréola dourada indicando que Ele é Deus. O rosto de Jesus tem um olhar suave dirigido à humanidade. Seus olhos são grandes e abertos, indicando que ele é tanto o crucificado quanto o ressuscitado. Seus lábios ensaiam um leve sorriso. Sua cabeça tende ligeiramente para o lado direito, indicando sua humanidade que venceu a morte. Os gestos da cabeça revelam um homem marcado pela ternura e serenidade. O pescoço é tão longo chega a ser desproporcional. Quando se alarga exageradamente o pescoço, como neste caso, indica-se que Cristo tem a força e o poder do Espírito Santo.


Os braços do Redentor, embora estejam padecentes com as feridas e o sangue dos pregos, seus braços estão estendidos em forma de acolhimento. Há anjos nas extremidades dos braços da cruz. Eles são pintados com gestos de comoção e piedade.


As pernas do Crucificado estão firmes e retas. Essa posição do Cristo indica que ele é o vitorioso sobre a morte. A túnica de Jesus mais parece uma veste sacerdotal de linho branco, com bordado em ouro. Está indicando o Cristo sacerdote que oferece a si mesmo como sacrifício no altar da cruz para que a humanidade possa ser reconciliada com Deus e obtenha a salvação.


Sobre a inscrição vemos a figura de Jesus subindo ao céu. Esse movimento ascensional é representado com uma faixa esvoaçante que sai do corpo de Jesus Ressuscitado. Ele empunha na mão esquerda uma cruz, enquanto sua mão direita estende-se para o Pai. Os olhos abertos dessa pequena imagem de Cristo revelam sua confiança e estão dirigidos ao Pai que é representado apenas por uma mão destra em gesto de Bênção. A mão do Pai tem três dedos abertos, que podem indicar a Trindade Santa, e dois dedos curvados, que aludem à humanidade e à divindade de Cristo. Este gesto expressa o poder de Deus. 

Toda a cena da ascenção de Cristo é configurada por uma concentração de anjos e arcanjos. Seus rostos expressam alegria porque Cristo venceu a morte e agora volta para junto do Pai.


Por debaixo dos braços estendidos de Jesus vemos as testemunhas da crucificação. À esquerda encontra-se Maria, a mãe de Jesus, e João, o discípulo amado. Eles apontam com a mão direita para o Cristo na cruz.

Abaixo do braço direito da Cruz, encontram-se três pessoas: Maria Madalena, Maria, mãe de Tiago, e o Centurião. O Centurião faz parte do exército romano que, ao ver Jesus morrer, disse: “Verdadeiramente, este é o filho de Deus” (Mc 15,39).


Jesus está diante de um fundo escuro, que representa a morte e o maligno. Mas ele está sobre esse fundo. Seu corpo irradia luz, por meio das cores ouro e vermelho que indicam divindade e eternidade. Tem-se a impressão de que ele está vivo e que o seu corpo não está pregado na cruz, mas está encostado nela.


O crucifixo original se conserva hoje na Basíica de Santa Clara, em Assis. É um ícone que foi pintado provavelmente no século XII na Itália, por um pintor desconhecido.

O crucifixo da Igreja de São Damião nos recorda que o Senhor Jesus continua a nos repetir: “Vai e repara a minha casa!”


Publicada em 08/03/2017 às 08:27:41

Mitra Diocesana - Rua Duque de Caxias, 729 - Cruz Alta RS, 98005-200 - (0xx)55 3322-6920